Prefeitura Municipal de Erechim - CAPS II de Erechim encerra atividades com música e alegria
Conteúdo

https://www.pmerechim.rs.gov.br//noticia/6512/caps-ii-de-erechim-encerra-atividades-com-msica-e-alegria

20/12/2012

CAPS II de Erechim encerra atividades com música e alegria

CAPS II de Erechim encerra atividades com música e alegria

Os pacientes foram presenteados com um show do grupo gaúcho Chiquito e Bordoneio

 

Alegria a música marcaram o encerramento das atividaees do Centro de Apoio Psicossocial II de Erechim. A comemoração realizada no Círculo Operário Erechinense, foi promovida pelo governo municipal através da Secretaria de Saúde e reuniu pacientes, familiares, autoridades e a equipe multiprofissional do CAPS II. No evento os convidados foram recebidos com um almoço de confraternização. Logo depois os cantores do Coral Renascer do CAPS cantaram músicas natalinas. A festa ficou ainda melhor com a surpresa feita pelo grupo gaúcho Chiquito e Bordoneio. Os músicos de Erechim animaram os presentes com antigos e novos sucessos. “Pra gente é mais que uma alegria estar aqui com todas essas pessoas. É um dever que nos deixa certos de que também fizemos um pouco por nossa comunidade”, disse o líder do grupo Chiquito.

 

Atualmente o CAPS II atua com cerca de 200 pessoas que possuem algum tipo de sofrimento mental. Os pacientes são atendidos nos regimes: intensivo (quando vão todos os dias ao CAPS), no semintensivo (quando o paciente vai 1, 2 ou 3 vezes por semana ao centro) ou domiciliar (quando o doente recebe atendimento e medicamentos em casa).

 

O CAPS II tem como meta proporcionar a inclusão e a ressocialização dos pacientes para que tenham uma vida normal em sociendade. Por isso, são desenvolvidas diariamente no local oficinas terapêuticas e consultas com diferentes profissionais da saúde. No evento que encerrou as atividades do CAPS II, o secretário adjunto de Saúde, João Dautartas falou sobre a importância do centro e a manutenção do bem estar de quem é atendido no local. “Sem saúde mental, não há saúde. Nosso trabalho precisa ser intenso e ter continuidade para que essas pessoas que tem algum tipo de doença mental tenham uma rotina normal e feliz com suas famílias e com toda sociedade”.