Você está em: Home / Notícias / Erechim entre as 100 melhores cidades do país para fazer negócios

NOTICIAS

A+ A- texto
normal

GERAL
04 de Março de 2022

Erechim entre as 100 melhores cidades do país para fazer negócios

Erechim é destaque entre os municípios do Estado e do País considerados os melhores para se investir em segmentos como: serviços, indústria e agropecuária. A classificação é dada no Ranking das Melhores Cidades para Fazer Negócios, elaborado pela empresa de inteligência de mercado, Urban Systems desde 2014. São cem municípios do país elencados em cada uma das seis categorias. Além disso, a novidade do estudo neste ano foi considerar como indicador o índice de vacinação contra Covid-19, isso porque os dados mostram que os municípios com maior incidência de vacinação conseguiram de forma mais segura retomar atividades econômicas, recuperar empregos e negócios. Atualmente, o município cerca de 100% em primeira dose, 92% em segunda dose, 45% na dose de reforço e 44% em crianças de 5 a 11 anos.

 

Serviços

 

O ranking considera a renda dos trabalhadores, a qualificação dos empregos, a relação deles com a administração pública, representatividade de empresas e acesso à banda larga de alta velocidade. Erechim aparece em 70º lugar no país e em 7º entre as cidades do Rio Grande do Sul.

 

Indústria

 

Nesta categoria são considerados empregos, renda e número de empresas. Além disso, também leva em conta a distância de portos, aeroportos e rodovias federais. Erechim ficou em 51º lugar no ranking Nacional e entre os municípios do Estado, em 4º lugar.

 

Agropecuária

 

O ranking considera empregos e produtividade da lavoura e da pecuária, assim como a exportação. Erechim ficou em 97º lugar entre os municípios do país e 7º entre os municípios gaúchos.

 

O prefeito de Erechim, Paulo Polis, comemorou os resultados, destacando a importância de a cidade estar ativa e prospectando crescimento em todas áreas econômicas. “Esse resultado é muito positivo pra Erechim, pra nossos empresários e pra todos erechinenses. Estamos em um processo de saída de uma pandemia, valorizando a ciência e a saúde, e não deixando de fora nenhuma área econômica”, finaliza.